Holanda

/

Amsterdam

A relação do holandês com o café

Você jamais vai entrar na casa de um holandês e não ganhar uma xícara de café. Você pode até pensar que isso é tão normal quanto em qualquer outra parte do mundo. Sim e não. Sim, porque é, claro, um costume quase universal. Mas não, porque esse costume, na Holanda, resguarda uma série de pretextos e códigos que não são reproduzidos em outro lugar do mundo.

Um colega de trabalho diz ao outro “que tal uma xícara de café” com a mesma facilidade e frequencia com a qual poderia levantar de sua mesa apenas para tomar água. É um comportamento que faz parte integral da rotina de trabalho do holandês. A ideia por trás de uma xícara de café está relacionada ao quanto o holandês toma café, mas também ao quanto ele dedica seu tempo para boas conversas ou conversas triviais. Ou mesmo associado a uma palavra tão holandesa que só existe definição em seu vocabulário: “gezellig”. Que pode significar algo gostoso, comfy, bacana, confortável, prazeroso. Certamente a associação entre “Quer uma xícara de café” (Wil je een kopje koffie?) e “gezellig” deve ser uma das frases mais pronunciadas pelo holandês em toda sua vida.

Há estatísticas que aparecem aqui e ali ao afirmarem que o consumo regular do holandês – o maior no mundo - chega a próximo de 3 xícaras por dia, seguido de Finlândia, Suécia e Dinamarca. Um número bem considerável, em especial, quando se vê que de uns tempos pra cá aparecem novas lojas e cafeterias importando grãos de produtores de prestigio e qualidade, ou mesmo fabricando os seus próprios. Alguns dos meus locais preferidos para uma “gezellig kopje koffie in Amsterdam” são a Scandinavian Embassy, que faz jus à segunda posição da Escandinávia, que perde somente pra Holanda, como maior consumidor de café no mundo. É um local que leva bem a sério a cultura e a qualidade do café. Oferece diferentes blends e tipos de extração e fica dentro de um espaço bem cool, minimalista, próprio dos locais descolados do bairro jovem De Pijp. Já o Koffie en Kocke pertence a uma jovem inglesa que diariamente assa as próprias tortas e bolos deliciosos e, apesar de não ter uma cultura forte de moer seu próprio café, é um local muito agradável em frente ao Westerpark.

 

Comentários

O comentário será moderado pelo admin antes de ser exibido