Holanda

/

Amsterdam

Amsterdam: restaurantes nem tão novos, mas que valem a pena

Esse texto é dedicado a todas aquelas casas que tem alma e muita história. São locais que não envelhecem com o tempo, seja em ambiente ou conceito. Mantém o astral da casa e a qualidade do alimento e do atendimento. E nos fazem sempre querer voltar.

Em 2015 foi quando percebi algo mudando na cena gastronômica da cidade e conheci o Food Hallen. Numa dessas andanças a pé que nos levam a destinos inesperados, conheci o Zus&Zus (temporariamente fechado). Até hoje lembro do quanto nos emocionamos com aquela "comida que tem alma". Feita por duas irmãs da Etiópia. É o tipo de restaurante onde só se encontra holandês, bem low profile, no lado mais Oeste da cidade. Comida de qualidade, feita com carinho, sabor.

Mais pra cima, no lado Norte, me hospedei algumas vezes num Airbnb espetacular cujo prédio modernoso daqueles recém construídos tem face tanto para o canal como para o rio Amstel: quase que impagável acordar com aquela vista do 9o andar mirando nada além de um grande horizonte azul. Entre muitas dicas boas da proprietária, a que mais amei e disparada a que mais agrada meus amigos que gostam de “go local like me” é o Wijncafé Worst. Dedicado ao vinho e à charcuterie – como o próprio nome da casa sugere – é um espaço relativamente pequeno, delicioso para ir com amigos que gostam de compartilhar pequenas porções e beber vinho. A clientela habitué já sabe onde sentar, geralmente no terraço aconchegante – se o tempo permitir – ou nas cadeiras enfileiradas ao pé do balcão, de onde saem as linguiças caseiras e nos sentimos quase na cozinha de um amigo. O ambiente é muito leve, friendly e com bom astral.

O Buffet van Odette é um acerto do começo ao fim. Não à toa existe há mais de duas décadas com uma clientela fiel e habitué. Fica numa parte mais tranquila da Prinsengracht, em frente ao canal, com poucas mesinhas ao lado de fora, e um salão aconchegante funcionando todos os dias com café, almoço e jantar. Todos os produtos são extraídos de produtores locais, como os queijos, carnes e verduras que vem da De Lindenhoff, fazenda local, ou mesmo os pães, assados na casa. O menu é conciso e descomplicado, feito para agradar a diferentes paladares. Comida de verdade, em outras palavras.

Sempre bom ficar atento ao horário do buffet de saladas, imperdível ao menos uma vez na vida: servido sempre e apenas das 12h30 às 14h30.

Em tempo: a proprietária Odette, por sua vez, batalhou até chegar ao sucesso de hoje: em 1994 fazia comida em casa para entregar de bicicleta a um restaurante na cidade. Águas rolaram até chegar ao formato do seu próprio restaurante, como é hoje.

Comentários

O comentário será moderado pelo admin antes de ser exibido